O Direito de Saber dos EUA processa a EPA para a liberação de documentos de glifosato

Impressão Email Compartilhe Tweet

News Release

Para liberação imediata: quinta-feira, 9 de março de 2017
Para obter mais informações, entre em contato com: Carey Gillam (913) 526-6190

A US Right to Know, uma organização de defesa do consumidor, entrou com um processo federal ação judicial na quinta-feira, contra a Agência de Proteção Ambiental por violar disposições da Lei de Liberdade de Informação (FOIA). O Public Citizen Litigation Group, um escritório de advocacia de interesse público em Washington, DC, está representando a US Right to Know na ação.

A ação judicial, arquivado no Tribunal Distrital dos EUA em Washington, DC, busca documentos relacionados à avaliação da EPA de um produto químico controverso chamado glifosato. O glifosato é o herbicida mais amplamente usado no mundo e é o ingrediente principal dos herbicidas Roundup da Monsanto Co., bem como de outros produtos que eliminam ervas daninhas. As preocupações com o produto químico cresceram desde que a Organização Mundial da Saúde em 2015 disse que seus especialistas em câncer classificaram o glifosato como um carcinogênico humano provável. Outros cientistas também disseram que a pesquisa mostra problemas de segurança com o produto químico e as formulações em que é usado.

O Direito de Saber dos EUA solicitou os registros da EPA depois que a EPA publicou um memorando interno intitulado “GLIFOSATO: Relatório do Comitê de Revisão de Avaliação do Câncer”No site da agência em 29 de abril de 2016. O relatório interno da EPA, conhecido como relatório CARC, concluiu que o glifosato“ não era provavelmente cancerígeno para humanos ”. A EPA em seguida, excluiu a postagem pública em 2 de maio, dizendo que o documento foi postado inadvertidamente. Mas antes de ser excluído, os funcionários da Monsanto copiaram o documento, promoveram-no no site da empresa e nas redes sociais e fizeram referência a ele em uma audiência no tribunal que tratava de processos movidos por trabalhadores agrícolas e outros que alegam que o herbicida da Monsanto lhes causou câncer.

A solicitação da FOIA de 12 de maio de 2016 solicitou certos registros relacionados ao relatório CARC sobre o glifosato, bem como registros de comunicações entre a Monsanto e funcionários da EPA que discutiram questões do glifosato. De acordo com a FOIA, a EPA tinha 20 dias úteis para responder à solicitação, mas bem mais de 190 dias úteis já se passaram e a EPA ainda não apresentou nenhum registro em resposta à solicitação. A EPA também não cumpriu com as solicitações FOIA mais recentes feitas pela US Right to Know para documentação de negociações da EPA com a Monsanto em relação ao glifosato, embora essas solicitações não façam parte deste processo.

O processo alega especificamente que a US Right to Know tem um direito estatutário sob a FOIA sobre os registros solicitados e que a EPA não tem base legal para se recusar a produzir esses registros. A reclamação pede ao tribunal que ordene a EPA que disponibilize os registros solicitados imediatamente.

A US Right to Know é uma organização sem fins lucrativos que trabalha para promover a transparência e a responsabilidade no sistema alimentar do país. Para obter mais informações sobre o direito de saber dos EUA, consulte www.usrtk.org.

O Public Citizen Litigation Group litiga casos envolvendo governo aberto, regulamentos de saúde e segurança, direitos do consumidor, acesso aos tribunais e a Primeira Emenda. É o braço litigante da organização nacional de defesa do consumidor, sem fins lucrativos, Public Citizen. O Litigation Group frequentemente representa indivíduos e organizações que buscam acesso a registros de acordo com a Lei de Liberdade de Informação. Mais informações podem ser encontradas em www.citizen.org.