Os planos da Fundação Gates de refazer os sistemas alimentares prejudicarão o clima

Impressão Email Compartilhe Tweet

Por Stacy Malkan

In his new book on how to avoid a climate disaster, billionaire philanthropist Bill Gates discusses his plans to model African food systems upon India’s “green revolution,” in which a plant scientist increased crop yields and saved a billion lives, according to Gates. The obstacle to implementing a similar overhaul in Africa, he asserts, is that most farmers in poor countries don’t have the financial means to buy fertilizers.  

“If we can help poor farmers raise their crop yields, they’ll earn more money and have more to eat, and millions of people in some of the world’s poorest countries will be able to get more food and the nutrients they need,” Gates concludes. He doesn’t consider many obvious aspects of the hunger crisis, just as he skips crucial elements of the climate debate, as Bill McKibben points out in the Revisão do New York Times of Gates’ book How to Avoid a Climate Disaster. 

Gates fails to mention, for example, that hunger is largely due to poverty and inequality, not scarcity. And he seems unaware that the decades-long “green revolution” push for industrial agriculture in India has left a harsh legacy of harm for both the ecosystem and smallholder farmers, who have been protesting in the streets since last year.   

“Farmer protests in India are writing the Green Revolution’s obituary,” Aniket Aga wrote in Scientific American last month. Decades into the green revolution strategy, “it is evident that new problems of industrial agriculture have added to the old problems of fome e subnutrição,” Aga writes. “No amount of tinkering on the marketing end will fix a fundamentally warped and unsustainable production model.”

Este modelo which moves farmers toward ever-larger and less-diverse farming operations that rely on pesticides and climate-harming chemical fertilizers — is one the Gates Foundation has been promoting in Africa for 15 years, over the opposition of African food movements who say the foundation is pushing the priorities of multinational agribusiness corporations to the detriment of their communities.  

Hundreds of civil society groups are protesting the Gates Foundation’s agricultural strategies and its influence over the upcoming UN World Food Summit. Insiders say this leadership is threatening to derail meaningful efforts to transform the food system, at a crucial moment when much of sub-Saharan Africa is reeling from multiple shocks e um growing hunger crisis due to pandemic and climate change conditions. 

All this has gone unnoticed by major media outlets that are rolling out the red carpet for Gates’ book. Here are some of the reasons the critics say Gates Foundation’s agricultural development program is bad for the climate. The foundation has not responded to multiple requests for comment. 

Ramping up greenhouse gas emissions 

Bill Gates is not shy about his passion for synthetic fertilizer, as he explains in this blog touting the Yara fertilizer distribution plant in Tanzania. Gates describes synthetic fertilizer as a “magical invention that can help lift millions of people out of poverty.” 

Corp Watch describes Yara as “the fertilizer giant causing climate catastrophe.” Yara is Europe’s biggest industrial buyer of natural gas, actively lobbies for fracking, and is a top producer of synthetic fertilizers that scientists say are responsible para um worrying increases in emissions of nitrous oxide, a greenhouse gas that is 300 times more powerful than carbon dioxide at warming the planet. De acordo com uma artigo recente da Nature, nitrous oxide emissions driven largely by agriculture are rising in an increasing feedback loop that is putting us on a worst-case trajectory for climate change.

Gates acknowledges that synthetic fertilizers harm the climate. As a solution, Gates hopes for technological inventions on the horizon, including an experimental project to genetically engineer microbes to fix nitrogen to soil. “If these approaches work,” Gates writes, “they’ll dramatically reduce the need for fertilizer and all the emissions it’s responsible for.” 

In the meantime, the key focus of Gates’ green revolution efforts for Africa is expanding the use of synthetic fertilizer with the aim of boosting yields, even though there isn’t any evidence to show that 14 years of these efforts have helped small farmers or the poor, or produced significant yield gains.

Expanding climate-harming monocultures 

Since 2006, the Gates Foundation has spent over $4 billion a "help drive agricultural transformation” in Africa. A maior parte do funding goes to technical research and efforts to transition African farmers to industrial agricultural methods and increase their access to commercial seeds, fertilizer and other inputs. Proponents say these efforts give farmers the choices they need to boost production and lift themselves out of poverty.

Critics argue that Gates’ “green revolution” strategies are harming Africa fazendo ecosystems more fragile, putting farmers into debte diverting public resources away de deeper systemic changes needed to confront the climate and hunger crises. 

“The Gates Foundation promotes a model of industrial monoculture farming and food processing that is not sustaining our people,” a group of faith leaders from Africa wrote to the foundation last fall, raising concerns that their “support for the expansion of intensive industrial agriculture is deepening the humanitarian crisis.” The foundation, they noted, “encourages African farmers to adopt a high input–high output approach that is based on a business model developed in a Western setting” and “puts pressure on farmers to grow just one or a few crops based on commercial high-yielding or genetically modified (GM) seeds.”

Gates’ flagship agricultural program, the Alliance for a Green Revolution in Africa (AGRA), steers farmers toward maize and other staple crops with the aim of boosting yields. According to AGRA’s operational plan for Uganda (ênfase deles):

  • Agricultural transformation is defined as a process by which farmers shift from highly diversified, subsistence-oriented production towards more specialized production oriented towards the market or other systems of exchange, involving a greater reliance on input and output delivery systems and increased integration of agriculture with other sectors of the domestic and international economies.

AGRA has spent over $524 million, mainly on programs to increase farmers’ access to commercial seeds and fertilizers. This “green revolution” technology package is further supported by $1 billion a year in subsidies from African governments, according to pesquisa publicada no ano passado pelo Tufts Global Development and Environment Institute and a related report by African and German groups

The researchers found no sign of a productivity boom; the data show modest yield gains of 18% for staple crops in AGRA’s target countries, while incomes stagnated and food security worsened, with the number of hungry and undernourished people up 30%. AGRA disputed the research but has not provided detailed reporting of its results over 15 years. An AGRA spokesperson told us a report will be forthcoming in April.

The independent researchers also reported a decline in traditional crops, such as millet, which is climate-resilient e também an important source of micronutrients for millions of people.

"The AGRA model imposed on previously relatively diverse Rwanda farming almost certainly undermined its more nutritious and sustainable traditional agricultural cropping patterns,” Jomo Kwame Sundaram, former UN assistant secretary-general for economic development, wrote in an article describing the research.  The AGRA package, he notes, was “imposed with a heavy hand” in Rwanda, with “the government reportedly banning cultivation of some other staple crops in some areas.”  

Diverting resources from agroecology 

“If global food systems are to become sustainable, input-intensive crop monocultures and industrial-scale feedlots must become obsolete,” the African faith leaders wrote in their appeal to the Gates Foundation. Indeed, many experts say a paradigm shift is necessary, away from uniform, monoculture cropping systems toward diversified, agroecological approaches that can address the problems and limitations of industrial agriculture including inequalities, increased poverty, malnutrition and ecosystem degradation.  

Rupa Marya, MD, associate professor of medicine at UCSF, discusses agroecology at the 2021 EcoFarm conference

A UN Food and Agriculture Organization expert panel report on agroecology clearly calls for a shift away from the “green revolution” industrial agriculture model and toward agroecological practices that have been shown to increase the diversity of food crops, reduce costs and build climate resilience. 

But programs to scale up agroecology are starving for funding  as billions in aid and subsidies go to prop up industrial agriculture models. 

Donor preferences for profitability, scalability and short-term results are holding back investments in agroecology, de acordo com um relatório de 2020 from the International Panel of Experts on Sustainable Food Systems (IPES-Food). As many as 85% of Gates Foundation funded projects for Africa in recent years were limited to supporting industrial agriculture, the report said, while only 3% of the projects included elements of agroecological redesign.

Os pesquisadores note, “agroecology does not not fit within existing investment modalities. Like many philanthropic givers, the BMGF [Bill and Melinda Gates Foundation] looks for quick, tangible returns on investment, and thus favours targeted, technological solutions.” 

These preferences weigh heavy in decisions about how research dollars are allocated for global food systems. The largest recipient of Gates Foundation’s agricultural funding is CGIAR, a consortium of 15 research centers employing thousands of scientists and managing 11 of the world’s most important gene banks

In recent years, some CGIAR centers have taken steps toward systemic and rights-based approaches, but a proposed restructuring plan to create “One CGIAR” with a single board and new agenda-setting powers is raising concerns. According to IPES food, the restructuring proposal threatens to “reduce the autonomy of regional research agendas and reinforce the grip of the most powerful donors,” such as the Gates Foundation, who are “reluctant to diverge from green revolution strategies.”

O processo de reestruturação led by a Gates Foundation representative and former leader of the Syngenta Foundation, "umappears to have been driven forward in a coercive manner,” IPES said, “with little buy-in from the supposed beneficiaries in the global South, with insufficient diversity among the inner circle of reformers, and without due consideration of the urgently-needed paradigm shift in food systems.”

Meanwhile, the Gates Foundation has kicked in another $310 million to CGIAR to “help 300 million smallholder farmers adapt to climate change.” 

Inventing new uses for GMO pesticide crops

The takeaway message of Bill Gates new book is that technological breakthroughs can feed the world and fix the climate, if only we can invest enough resources toward these innovations. The world’s largest pesticide/seed companies are promoting the same theme, rebranding themselves from climate deniers to problem solvers: advances in digital farming, precision agriculture and genetic engineering will reduce the ecological footprint of agriculture and “empower 100 million smallholder farmers” to adapt to climate change, “all by the year 2030,” according to Bayer CropScience.

The Gates Foundation and the chemical industry are “selling the past as innovation in Africa,” argues Timothy Wise, a research fellow with the Institute for Agriculture and Trade Policy, in a new paper for Tufts GDAE. “The real innovation,” Wise said, “is happening in farmers’ fields as they work with scientists to increase the production of a diversity of food crops, reduce costs, and build climate resilience by adopting agroecological practices.” 

As a harbinger of tech breakthroughs to come, Gates points in his book to the Impossible Burger. In a chapter entitled “How We Grow Things,” Gates describes his satisfaction with the bleeding veggie burger (in which he is a major investor) and his hopes that plant-based burgers and cell-based meats will be major solutions for climate change. 

He’s right, of course, that shifting away from factory-farmed meat is important for the climate. But is the Impossible Burger a sustainable solution, or just a marketable way to turn industrially produced crops into patented food productsAs Anna Lappe explica, Impossible Foods “is going all in on GMO soy,” not only as the burger’s core ingredient but also as the theme of the company’s sustainability branding.  

For 30 years, the chemical industry promised GMO crops would boost yields, reduce pesticides and feed the world sustainably, but it hasn’t turned out that way. As Danny Hakim reported in the New York Times, GMO crops did not produce better yields,  and they drove up the use of herbicides, especially glyphosate, which is linked to cancer among other health and environmental problems. As weeds became resistant, the industry developed seeds with new chemical tolerances. Bayer, for example, is forging ahead with GMO crops engineered to survive five herbicides.

Mexico recently announced plans to ban GMO corn imports, declaring the crops “undesirable” and “unnecessary.”

In South Africa, one of the few African countries to allow commercial cultivation of GMO crops, more than 85% of maize and soy is now engineered, and most is sprayed with glyphosate. Agricultores, grupos da sociedade civil, líderes políticos e doctors are raising concerns about rising cancer rates. And food insecurity is rising, too.  South Africa’s experience with GMOs has been “23 years of failures, biodiversity loss and escalating hunger,” according to the African Centre for Biodiversity.

The green revolution for Africa, says the group’s founder Mariam Mayet, is a “dead-end” leading to “declining soil health, loss of agricultural biodiversity, loss of farmer sovereignty, and locking of African farmers into a system that is not designed for their benefit, but for the profits of mostly Northern multinational corporations.” 

“It is vital that now, at this pivotal moment in history,” says the African Centre for Biodiversity, “that we shift the trajectory, phasing out industrial agriculture and transition towards a just and ecologically sound agricultural and food system.”  

Stacy Malkan is managing editor and co-founder of U.S. Right to Know, an investigative research group focused on promoting transparency for public health. Sign up for the Right to Know newsletter para atualizações regulares.

 

Será que os democratas do Senado conseguirão a derrota das garras da vitória na rotulagem de OGM?

Impressão Email Compartilhe Tweet

Atualização em 27 de junho: Um novo projeto de lei de “compromisso” anunciado pelo senador Stabenow é “completamente inaceitável” e pior do que o projeto original, dizem os defensores dos consumidores. Leia o últimas notícias aqui.

Por Stacy Malkan

Quase 90% dos americanos dizem que os alimentos geneticamente modificados devem ser rotulados, com alto apoio em todas as idades, raças e afiliações políticas, de acordo com um relatório de dezembro de 2015 Enquete do Mellman Group. É difícil pensar em uma questão política que compartilhe um apelo tão amplo. A crença em nosso direito de saber o que está em nossa comida é tão americana quanto uma torta de maçã.

Agora, depois de uma batalha árdua liderada por milhões de consumidores e os maiores grupos ambientais, de saúde e consumidores do país, estamos ganhando esse direito. Grandes empresas alimentícias de General Mills para Kellogg para Campbell's disseram que estão colocando rótulos em produtos alimentícios para indicar se eles são produzidos com engenharia genética.

É possível desfazer esse progresso? Os novos rótulos de alimentos poderiam realmente voltar às fábricas para serem substituídos por incompreensíveis manchas pretas chamadas códigos QR?

Os democratas do Senado, liderados pela democrata de Michigan Debbie Stabenow, estão prestes a fazer um acordo que interromperá a rotulagem de OGM em seu caminho?

spaghettiosA indústria agroquímica está enxameando o Senado dos EUA agora com um último esforço de lobby para aprovar o Lei DARK (Negar aos Americanos o Direito de Saber), e assim anular os esforços de rotulagem do estado. Eles têm apenas algumas semanas para fazer isso antes que Vermont implemente a primeira lei de rotulagem de OGM obrigatória do país em 1º de julho.

A Câmara dos Representantes aprovou o DARK Act no ano passado. O deputado John Conyers (D-MI) disse na época em um CNN op ed, “O fato de o Congresso estar até mesmo considerando uma proposta de negar aos americanos informações básicas sobre sua alimentação demonstra o poder esmagador desses lobistas corporativos sobre o interesse público”.

Todos os olhos estão agora no senador Stabenow, que, de acordo com o Relatório Hagstrom, acaba de propor uma nova linguagem para um "compromisso". Isso pode ou não incluir códigos QR, um número 800 ou alguma outra forma de reivindicar a rotulagem "obrigatória", permitindo que as empresas de alimentos removam as palavras "engenharia genética" dos novos rótulos que já estão a caminho de uma loja perto de você .

Os detalhes do acordo são obscuros. Mas uma coisa é clara: como democrata graduado no Comitê de Agricultura do Senado, o senador Stabenow detém as chaves para decidir se os americanos finalmente terão rótulos claros na embalagem dos OGMs que já são exigidos em 64 outros países ao redor do mundo.

Ambos os lados estão fazendo o possível para influenciá-la. Como Politico informou, líderes da indústria orgânica realizaram uma arrecadação de fundos para a senadora Stabenow em março, poucos dias antes da última votação do DARK Act, e líderes da indústria orgânica doaram vários milhares de dólares para sua campanha em 2015 e 2016.

Uma análise dos arquivos da Comissão Eleitoral Federal para doações à campanha do Sen. Stabenow de corporações e grupos comerciais nos últimos cinco anos encontrou pouco da indústria orgânica - apenas uma doação da Associação de Comércio Orgânico em 2012 por US $ 2,500.

Enquanto isso, grandes grupos de alimentos, produtos químicos e agronegócios doaram bem mais de US $ 100,000 para sua campanha naquele período, incluindo US $ 60,000 combinados da Monsanto, DuPont, Pepsi, Coca-Cola, Dow, Kraft, Bayer e ConAgra.

Essas empresas estavam entre os 10 principais doadores para campanhas anti-rotulagem que gastaram mais de $ 100 milhões para derrotar as iniciativas de rotulagem de OGM na Califórnia, Washington, Oregon e Califórnia - usando truques sujos para fazer isso, como remetentes de grupos de fachada falsos, falsas alegações em anúncios e guias do eleitore o maior operação de lavagem de dinheiro na história das eleições no Estado de Washington.

Por que essas empresas têm tanto medo de dar aos americanos uma escolha informada sobre os OGM em nossos alimentos?

Grandes grupos do agronegócio estão enviando a mensagem de que não é da nossa conta o que está em nossos alimentos e como eles são produzidos. O cartunista político Rick Friday aprendeu essa lição da maneira mais difícil quando recentemente despedido de seu trabalho de 21 anos no Farm News de Iowa por apontar em um desenho animado que altos executivos da Monsanto, DuPont Pioneer e John Deere ganharam mais dinheiro no ano passado do que 2,129 agricultores de Iowa.

O que mais essas empresas não querem que saibamos sobre nossos alimentos?

O fato é que a maioria das safras geneticamente modificadas são projetadas para sobreviver a herbicidas químicos, o que é ótimo para os lucros das empresas químicas, mas não tão bom para os agricultores e famílias em comunidades que cultivam OGM, como Havaí, Argentina e Iowa - ou para o resto de nós que pode comer comida todos os dias que contém glifosato, que foi recentemente classificado como provavelmente cancerígeno para humanos pelo painel de câncer da Organização Mundial da Saúde.

A boa notícia é que a demanda do consumidor por transparência agora é muito alta para ser ignorada.

As iniciativas estaduais para a rotulagem de OGM tiveram sucesso em educar milhões de pessoas de que nossas safras de alimentos mais importantes foram geneticamente modificadas sem transparência. A lei de rotulagem de Vermont é uma vitória para o país e as empresas de alimentos já estão no bom caminho para rotular OGM pela primeira vez na história dos Estados Unidos.

Se o lobby agroquímico conseguir pressionar os democratas a aceitar um acordo Dark Act que envolve nada menos do que a rotulagem obrigatória na embalagem, o senador Stabenow será para sempre lembrado por arrancar a derrota das garras da vitória por nosso direito de saber o que está em nossa comida.

Esta história foi originalmente publicada em Huffington Post. Quer mais comida para pensar? Inscreva-se para o Boletim Informativo da USRTK.

Grupo Cornell financiado por Gates falha em protesto contra Vandana Shiva

Impressão Email Compartilhe Tweet

Organizar protestos públicos parece uma maneira estranha de despolarizar um debate, mas a Aliança Cornell para a Ciência - um campanha de relações públicas financiada pela Fundação Gates para “despolarizar o debate acirrado” sobre os OGMs - juntou-se a um protesto recente na Universidade Willamette para confrontar Vandana Shiva, PhD, uma estudiosa, autora e ambientalista indiana.

Juntando-se a manifestantes que se autodenominam "nerds da ciência" de grupos com nomes como March Against Myths About Modification (MAMyths), Vegan GMO e PDX Skeptics in the Pub - vários dos quais participaram de um recente evento de treinamento da Cornell Alliance no México para praticar estratégias de promoção de OGMs - os afiliados da Cornell saíram às ruas em Willamette para combater o que alegaram ser "desinformação" e "linguagem dupla" do Dr. Shiva. Isto é de acordo com Jayson Merkley, ex-bolsista da Cornell Alliance e cofundador da Vegan GMO que agora trabalha para a equipe de treinamento da Cornell Alliance.

“Nosso objetivo era manter nossa mensagem amigável, acessível e positiva”, escreveu Merkley, “nossos slogans refletiam um tema bastante diferente do fomentador do medo que freqüentemente vemos: 'Não comece uma briga. Inicie uma conversa. '”

O grupo falhou, no entanto, ao promover a desinformação e o discurso duplo. Por exemplo, quando uma mulher expressou preocupações a Merkley sobre a qualidade da água e exposições químicas relacionadas a alimentos geneticamente modificados, ele "sorriu e acenou com a cabeça" e aproveitou a oportunidade para explicar que "as inovações da GE não são o problema", mas sim parte da solução . (De fato, a maioria dos alimentos OGM são projetados para tolerar herbicidas Roundup à base de glifosato e têm dramaticamente impulsionou o uso de glifosato, que a agência de pesquisa de câncer da Organização Mundial da Saúde diz ser um carcinogênico humano provável.)

Quando a Dra. Shiva passou pelos manifestantes, seus olhos permaneceram "firmes no chão", escreveu Merkley, "dessa forma, ela poderia evitar olhar para qualquer pessoa que pudesse perguntar sobre as centenas de milhares de crianças morrendo por deficiências evitáveis ​​de micronutrientes na Índia . ”

O que Merkley e os manifestantes deixaram de fora: os fatos relevantes relativos à desnutrição.

Apesar de uma década de testes, não há solução OGM para deficiências de nutrientes disponível para ajudar crianças moribundas. Em vez disso, a maioria dos OGM nos campos e indo para o mercado são culturas resistentes a herbicidas que estão levantando sérias preocupações sobre a qualidade da água e exposição a pesticidas em áreas de cultivo de OGM, como Havaí, Argentina e Iowa.

Evidências baseadas na ciência também mostram que desnutrição e deficiências nutricionais aumentaram drasticamente em países em desenvolvimento como a África, apesar dos bilhões de dólares gastos pela Fundação Gates e governos africanos na promoção e subsídio de sementes e produtos químicos comerciais caros como solução para a fome.

Infelizmente, a Cornell Alliance for Science confia na propaganda, não na ciência, como um guia para seus esforços de comunicação pró-OGM. Está bem documentado que o O grupo Cornell promove informações imprecisas sobre ciência e usa táticas questionáveis ​​em seus esforços para exagerar os possíveis benefícios futuros dos OGM, enquanto ignora problemas documentados e marginaliza os críticos - uma abordagem que certamente polarizará, não importa quão amigáveis ​​sejam os slogans de protesto.

Este blog foi atualizado para esclarecer que a Cornell Alliance for Science disse que não organizou o protesto de Vandana Shiva, embora o tenha promovido e pessoas treinadas pela Alliance em técnicas de ação direta tenham participado dele. Atualizações também foram adicionadas em 2020 com novos dados sobre desnutrição. 

Artigos relacionados:

O que Bill Gates não está dizendo sobre os OGMs

Impressão Email Compartilhe Tweet

Relatórios relacionados da US Right to Know:

Como as grandes empresas alimentícias anunciar planos para rotular alimentos geneticamente modificados nos EUA, examinamos mais de perto os argumentos prós e contras sobre a polêmica tecnologia de alimentos. Dois vídeos recentes iluminam a divisão sobre os OGM.

Em janeiro, Bill Gates explicou seu apoio à engenharia genética em uma entrevista com Rebecca Blumenstein do Wall Street Journal:

“O que é chamado de OGMs é feito mudando os genes da planta, e é feito de uma forma onde há um procedimento de segurança muito completo, e é incrível porque reduz a quantidade de pesticida de que você precisa, aumenta a produtividade (e) pode ajudar com desnutrição, recebendo fortificação de vitaminas. E então eu acho que, para a África, isso vai fazer uma grande diferença, especialmente porque eles enfrentam as mudanças climáticas ...

Os EUA, China, Brasil estão usando essas coisas e se você quiser que os agricultores da África melhorem a nutrição e sejam competitivos no mercado mundial, você sabe, contanto que as coisas certas de segurança sejam feitas, isso é realmente benéfico. É uma espécie de segundo turno da revolução verde. E então os africanos eu acho que escolherão deixar seu povo comer o suficiente ”.

Se Gates estiver certo, isso é uma ótima notícia. Isso significa que a chave para resolver o problema da fome é reduzir as barreiras para as empresas colocarem no mercado suas safras geneticamente modificadas e resistentes ao clima e com melhor nutrição.

Gates está certo?  

Outro vídeo lançado na mesma semana da entrevista de Gates para o WSJ oferece uma perspectiva diferente.

O curta-metragem do Center for Food Safety descreve como o estado do Havaí, que hospeda mais campos ao ar livre de culturas geneticamente modificadas experimentais do que qualquer outro estado, foi contaminado com grandes volumes de pesticidas tóxicos.

O filme e Denunciar Explique que cinco empresas agroquímicas multinacionais realizam 97% dos testes de campo de transgênicos no Havaí, e a grande maioria das safras são projetadas para sobreviver a herbicidas. De acordo com o vídeo:

“Com tantos testes de campo da GE em um estado tão pequeno, muitas pessoas no Havaí vivem, trabalham e vão para a escola perto de locais de teste intensamente pulverizados. Os pesticidas costumam se espalhar, então não é de se admirar que crianças, escolas e comunidades inteiras estejam adoecendo. Para piorar ainda mais as coisas, na maioria dos casos, essas empresas nem sequer são obrigadas a divulgar o que estão pulverizando. ”

Se o Centro de Segurança Alimentar estiver certo, isso é um grande problema. Essas duas histórias não podem estar certas ao mesmo tempo, podem?

Fatos no chão

Seguindo o fio da narrativa de Gates, seria de se esperar que os campos agrícolas do Havaí - o principal campo de testes para plantações geneticamente modificadas nos Estados Unidos - estivessem fervilhando com colheitas com baixo teor de pesticidas, resistentes ao clima e enriquecidas com vitaminas.

Em vez disso, a grande maioria das safras de OGM sendo cultivadas no Havaí e em os EUA são culturas tolerantes a herbicidas que estão aumentando o uso de glifosato, o principal ingrediente do Roundup da Monsanto e um produto químico da Organização Mundial de Saúde especialistas em câncer classificam como "provavelmente cancerígeno para humanos".

Nos 20 anos desde que a Monsanto introduziu milho e soja GMO “Roundup Ready”, o uso de glifosato aumentou 15 vezes e agora é “o produto químico agrícola mais utilizado na história do mundo”, relatou Douglas Main na Newsweek.

O uso pesado de herbicidas acelerou resistência de ervas daninhas em milhões de hectares de terras agrícolas. Para lidar com este problema, a Monsanto está desenrolando novos grãos de soja geneticamente modificados projetados para sobreviver a uma combinação de substâncias químicas que matam ervas daninhas, glifosato e dicamba. EPA tem ainda para aprovar a nova mistura de herbicidas.

Mas a Dow Chemical acabou de receber luz verde de um juiz federal para sua nova combinação de herbicida 2,4D e glifosato, chamada Enlist Duo, projetada para sementes OGM Enlist da Dow. A EPA descartou seus próprios dados de segurança para aprovar o Enlist Duo, relatou Patricia Callahan em Chicago Tribune.

A agência então reverteu o curso e pediu ao tribunal para desocupar sua própria aprovação - um pedido que o juiz negou sem dar razão.

Tudo isso levanta questões sobre as afirmações feitas por Bill Gates em sua entrevista ao Wall Street Journal sobre procedimentos de segurança completos e uso reduzido de pesticidas.

 As preocupações crescem no Havaí, Argentina, Iowa

Em vez de se movimentar com novos tipos promissores de cultivos OGM adaptáveis ​​e resilientes, o Havaí está fervilhando com esforços de base para proteger comunidades da deriva de pesticidas, exigem que as empresas químicas divulgar os pesticidas eles estão usando, e restringir o cultivo de OGM em áreas próximas a escolas e lares de idosos.

Escolas perto de fazendas em Kauai foram evacuadas devido ao deslocamento de pesticidas, e médicos no Havaí dizem que estão observando aumentos em defeitos congênitos e outras doenças que suspeitam estarem relacionadas a pesticidas, relatou Christopher Pala no guardião e O ecologista.

De acordo com Academia Americana de Pediatria, as exposições pré-natais e no início da vida a pesticidas estão associadas a cânceres na infância, diminuição da função cognitiva, problemas comportamentais e defeitos congênitos.

Na Argentina - o terceiro maior produtor mundial de culturas OGM - os médicos também estão levantando preocupações sobre as taxas mais altas do que a média de câncer e defeitos congênitos que eles suspeitam estarem relacionados a pesticidas, relatou Michael Warren em A Associated Press.

A história de Warren de 2013 citou evidências de "aplicações descontroladas de pesticidas":

“A Associated Press documentou dezenas de casos em todo o país onde os venenos são aplicados de formas não previstas pela ciência reguladora ou especificamente proibidas pela legislação existente. O spray atinge escolas e casas e se espalha sobre as fontes de água; os agricultores misturam venenos sem equipamento de proteção; os moradores armazenam água em recipientes de pesticidas que deveriam ter sido destruídos ”.

Num história de acompanhamento, A Monsanto defendeu o glifosato como seguro e pediu mais controles para impedir o uso indevido de produtos químicos agrícolas, e Warren relatou:

“Médicos argentinos entrevistados pela AP disseram que seus casos - não experimentos de laboratório - mostram uma correlação aparente entre a chegada da agricultura industrial intensiva e o aumento das taxas de câncer e defeitos congênitos em comunidades rurais, e eles estão pedindo estudos mais amplos e de longo prazo para descartar a exposição a agroquímicos como causa dessas e de outras doenças ”.

O porta-voz da Monsanto, Thomas Helscher, respondeu: “a ausência de dados confiáveis ​​torna muito difícil estabelecer tendências na incidência da doença e ainda mais difícil estabelecer relações causais. Até onde sabemos, não existem relações causais estabelecidas. ”

A ausência de dados confiáveis ​​é agravada pelo fato de que a segurança da maioria dos produtos químicos é avaliada individualmente, embora as exposições normalmente envolvam combinações químicas.

 'Estamos respirando, comendo e bebendo agroquímicos'

Um recente Estudo da UCLA descobriram que os reguladores da Califórnia não estão avaliando os riscos à saúde das misturas de pesticidas, embora as comunidades agrícolas - incluindo áreas perto de escolas, creches e parques - estejam expostas a vários pesticidas, que podem ter impactos na saúde maiores do que o previsto.

As exposições também ocorrem por várias rotas. Reportando sobre problemas de saúde e preocupações da comunidade em Avia Teria, uma cidade rural na Argentina cercada por campos de soja, Elizabeth Grossman escreveu na National Geographic:

“Como tantos pesticidas são usados ​​nas cidades agrícolas da Argentina, os desafios para entender o que pode estar causando os problemas de saúde são consideráveis, diz Nicolas Loyacono, um médico e cientista de saúde ambiental da Universidade de Buenos Aires. Nessas comunidades, diz Loyacono, “estamos respirando, comendo e bebendo agroquímicos”.

Em Iowa, que cultiva mais milho geneticamente modificado do que qualquer outro estado dos Estados Unidos, o abastecimento de água foi poluído pelo escoamento químico de milho e fazendas de animais, relatou Richard Manning na edição de fevereiro da Revista Harper's:

“Cientistas do departamento de agricultura do estado e da Iowa State University delinearam e testaram um programa dessas soluções de baixa tecnologia. Se 40% das terras cultiváveis ​​reivindicadas pelo milho fossem plantadas com outras culturas e pastagens permanentes, toda a ladainha de problemas causados ​​pela agricultura industrial - certamente a poluição de nitrato da água potável - começaria a evaporar. ”

Estas experiências em três áreas líderes mundiais na produção de culturas de OGM são obviamente relevantes para a questão de saber se a África deve abraçar os OGM como a melhor solução para a segurança alimentar futura. Então, por que Bill Gates não está discutindo essas questões?

Relógio de propaganda

Os proponentes dos OGMs gostam de se concentrar nos possíveis usos futuros da tecnologia de engenharia genética, enquanto minimizam, ignoram ou negam os riscos. Freqüentemente, tentam marginalizar os críticos que levantam preocupações como desinformados ou anticientíficos; ou, como fez Gates, eles sugerem uma falsa escolha de que os países devem aceitar os OGM se quiserem “permitir que seu povo tenha o suficiente para comer”.

Essa lógica salta sobre o fato de que, após décadas de desenvolvimento, a maioria das safras OGM ainda são projetadas para resistir a herbicidas ou produzir inseticidas (ou ambos), enquanto características mais complicadas (e muito badaladas), como o aumento de vitaminas, não conseguiram se destacar o chão.

“Como as placas flutuantes da franquia De Volta para o Futuro, o arroz dourado é uma ideia antiga que paira um pouco além do alcance da realidade”, relatou Tom Philpott em Mother Jones.

Enquanto isso, as multinacionais agroquímicas que também possuem grande parte da o negócio de sementes estão lucrando tanto com as sementes resistentes a herbicidas quanto com os herbicidas aos quais foram projetadas para resistir, e muitas novas aplicações de OGM em andamento seguem essa mesma linha.

Essas empresas também gastaram centenas de milhões de dólares sobre os esforços de relações públicas para promover a agricultura em escala industrial, com uso intensivo de produtos químicos e OGM como resposta à fome mundial - usando argumentos semelhantes que Gates apresentou em sua entrevista ao Wall Street Journal, e que grupos financiados por Gates também ecoam.

Para um artigo recente em O ecologista, Analisei as mensagens da Cornell Alliance for Science, um programa de comunicações pró-OGM lançado em 2014 com uma doação de US $ 5.6 milhões da Fundação Gates.

Minha análise descobriu que o grupo fornece poucas informações sobre os possíveis riscos ou desvantagens dos OGMs e, em vez disso, amplia o mantra de RP da indústria agroquímica de que a ciência está estabelecida na segurança e na necessidade dos OGM.

Por exemplo, o FAQ do grupo afirma,

“É mais provável que você seja atingido por um asteróide do que por comida transgênica - e isso não é um exagero.”

Isso contradiz a Organização Mundial da Saúde, quais Estados, “Não é possível fazer declarações gerais sobre a segurança de todos os alimentos GM”. Mais de 300 cientistas, médicos e acadêmicos disse não há “consenso científico sobre a segurança do OGM”.

O preocupações cientistas estão criando sobre os herbicidas à base de glifosato que acompanham os OGMs também são obviamente relevantes para a discussão sobre segurança.

No entanto, em vez de levantar essas questões como parte de uma discussão científica robusta, a Cornell Alliance for Science distribui bolsistas e associados para minimizar as preocupações sobre pesticidas no Havaí e jornalistas de ataque que relatam essas preocupações.

É difícil entender como esse tipo de travessura está ajudando a resolver a fome na África.

Ciência pública à venda

A Cornell Alliance for Science é o exemplo mais recente de um padrão maior e problemático de universidades e acadêmicos que atendem a interesses corporativos acima da ciência.

Escândalos recentes relacionados a essa tendência incluem professores financiados pela Coca-Cola que minimizou o link entre dieta e obesidade, um professor cético em relação ao clima que descreveu seus trabalhos científicos como “entregáveis”Para financiadores corporativos, e documentos obtidos pelo meu grupo US Right to Know que revelam professores trabalhando em estreita colaboração com a Monsanto para promover OGM sem revelar seus laços com a Monsanto.

Em uma entrevista com o Crônica do Ensino Superior, Marc Edwards, o professor da Virginia Tech que ajudou a expor a crise da água em Flint, alertou que a ciência pública está em grave perigo.

“Estou muito preocupado com a cultura da academia neste país e os incentivos perversos que são dados aos jovens docentes. As pressões para obter financiamento são simplesmente extraordinárias. Estamos todos nessa esteira hedonística - em busca de financiamento, de fama, de índice h - e a ideia de ciência como um bem público está se perdendo ... As pessoas não querem ouvir isso. Mas temos que consertar isso, e consertar rápido, ou então vamos perder essa relação simbiótica com o público. Eles vão parar de nos apoiar. ”

Como a fundação mais rica do mundo e os principais financiadores da pesquisa acadêmica, especialmente no domínio da agricultura, a Fundação Bill & Melinda Gates está em posição de apoiar a ciência no interesse público.

As estratégias da Fundação Gates, no entanto, geralmente se alinham aos interesses corporativos. UMA Análise 2014 pelo grupo de pesquisa Grain, com sede em Barcelona, ​​descobriu que cerca de 90% dos US $ 3 bilhões que a Fundação Bill & Melinda Gates gastou para beneficiar pessoas com fome nos países mais pobres do mundo foi para nações ricas, principalmente para pesquisas de alta tecnologia.

A Relatório de janeiro 2016 do grupo de defesa do Reino Unido Global Justice Now argumenta que os gastos da Fundação Gates, especialmente em projetos agrícolas, estão exacerbando a desigualdade e entrincheirando-se poder corporativo globalmente.

“Talvez o mais impressionante sobre a Fundação Bill & Melinda Gates é que, apesar de sua estratégia corporativa agressiva e influência extraordinária em governos, acadêmicos e mídia, há uma ausência de vozes críticas”, disse o grupo.

Mas as vozes corporativas estão por perto. O chefe da equipe de pesquisa e desenvolvimento agrícola da Fundação Gates é Rob Horsch, que passou décadas carreira na Monsanto.

 O caso para uma conversa honesta

Em vez de fazer propaganda a favor dos OGM, Bill Gates e os grupos financiados por Gates poderiam desempenhar um papel importante em elevar a integridade científica do debate sobre os OGM e garantir que as novas tecnologias alimentares realmente beneficiem as comunidades.

A tecnologia não é inerentemente boa ou ruim; Tudo depende do contexto. Como disse Gates, "contanto que as coisas certas de segurança sejam feitas". Mas essas coisas de segurança não estão sendo feitas.

Proteger as crianças da exposição a pesticidas tóxicos no Havaí e na Argentina e limpar o abastecimento de água em Iowa não precisa impedir que a engenharia genética avance. Mas essas questões certamente destacam a necessidade de adotar uma abordagem preventiva com OGM e pesticidas.

Isso exigiria avaliações robustas e independentes de impactos na saúde e ambientais, e proteções para trabalhadores agrícolas e comunidades.

Isso exigiria transparência, incluindo a rotulagem de alimentos OGM, bem como acesso aberto a dados científicos, notificação pública de pulverização de pesticidas e divulgação completa da influência da indústria sobre organizações acadêmicas e científicas.

Seria necessário ter uma conversa mais honesta sobre OGMs e pesticidas para que todas as nações possam usar toda a amplitude do conhecimento científico ao considerarem se devem ou não adotar tecnologias da indústria agroquímica para seu abastecimento alimentar.

Stacy Malkan é cofundador e codiretor do grupo de consumidores Direito de Saber dos EUA. Inscreva-se no nosso boletim aqui. Stacy é autora do livro 'Não é apenas uma cara bonita: o lado feio da indústria da beleza' (New Society Publishing, 2007) e cofundou a Campaign for Safe Cosmetics. Siga Stacy no Twitter: @stacymalkan.

Por que a Fundação Gates está financiando uma campanha de propaganda de OGM em Cornell?

Impressão Email Compartilhe Tweet

News Release

Para liberação imediata: sexta-feira, 22 de janeiro de 2016
Para obter mais informações, entre em contato com: Stacy Malkan, 510-542-9224, stacy@usrtk.org

Uma nova análise da US Right to Know publicada hoje em O ecologista documenta como milhões de dólares da Fundação Bill & Melinda Gates estão sendo usados ​​para fazer uma campanha de propaganda na Universidade Cornell que promove OGMs e pesticidas para o benefício de empresas agroquímicas.

O artigo documenta como a Cornell Alliance for Science, lançada em 2014 com uma doação da Fundação Gates de US $ 5.6 milhões, está operando como uma campanha de relações públicas que promove alimentos e culturas geneticamente modificadas usando as mesmas mensagens imprecisas e táticas inescrupulosas que a indústria agroquímica usa para promover sua agenda para agricultura quimicamente intensiva e OGM.

As conclusões incluem:

  • Sob o pretexto de “defender a ciência”, a Cornell Alliance for Science costuma fazer declarações não científicas sobre os OGM.
  • A Cornell Alliance for Science tem parceria com agentes de RP da indústria química para ensinar “ciência” aos alunos.
  • A Cornell Alliance for Science oferece bolsas para defensores de OGM, incluindo uma bolsa de jornalismo eticamente questionável.

A evidência para essas reivindicações é descrita em detalhes no artigo “Por que a Cornell University está hospedando uma campanha de propaganda de OGM?”Por Stacy Malkan, codiretora do grupo de consumidores US Right to Know.

No início desta semana, o grupo de campanha baseado no Reino Unido Global Justice Now lançou um Denunciar defendendo que a Fundação Bill & Melinda Gates, a maior fundação de caridade do mundo, está financiando estratégias que promovem os interesses corporativos multinacionais em detrimento da justiça social e econômica.

Para obter mais informações sobre a Fundação Gates:

Relatório Global Justice Now, janeiro de 2016, “Desenvolvimento fechado - a Fundação Gates é sempre uma força para o bem?”

guardian, “Gates e Rockefeller estão usando sua influência para definir a agenda em estados pobres?”

Seattle Times, “O Novo Relatório diz que a Fundação Gates favorece as empresas, não as pobres”,

Relatório de grãos, novembro de 2014, “Como a Fundação Gates gasta seu dinheiro para alimentar o mundo?”

Direito de Saber dos EUA é uma organização sem fins lucrativos que investiga os riscos associados ao sistema alimentar corporativo e as práticas e influência da indústria de alimentos nas políticas públicas. Promovemos o princípio da transparência do mercado livre - no mercado e na política - como crucial para a construção de um sistema alimentar melhor e mais saudável.

 -30-